quinta-feira, 6 de dezembro de 2018

Sem pressa

Eu sempre gostei de mudanças, mas ultimamente tenho evitado-as. Evitado qualquer coisa que fizesse com que minha vida mudasse bruscamente. E, sinceramente, estou gostando. Desta forma eu vejo a vida mudando aos poucos. Minha casa está sendo pintada, estamos com nova hóspede, em breve farei uma viagem que há muito tempo queria fazer... E é muito bonito ver as coisas acontecendo assim, aos poucos, nada muito brusco, jamais soube apreciar esse tipo de mudança, e agora... simplesmente estou sentindo uma tranquilidade tão boa dentro de mim, algo inexplicável.
Acho que todos deveriam experimentar essa sensação. Ninguém precisa exatamente começar do zero para sentir a vida se renovando, mudar as coisas aos poucos, sem pressa, sem se matar de trabalhar pra isso, é muito gostoso.
Feliz 2019!

domingo, 28 de outubro de 2018

O retorno do fascismo

Oi, meus amigos. Não sei se chorar é errado neste momento, já que precisamos nos esconder novamente.
No momento em que soube, pingavam algumas gotas do céu, passavam carros com a bandeira do país que tanto amo, eles buzinavam e gritavam, houveram fogos de artifício também. Quem diria que utilizar uma bandeira do país que eu amo, tanto que tenho duas em meu quarto, significaria ser um extremista, significaria ser um odiador.
Na minha família há uma pessoa homossexual, e seu pai faz piadas machistas e homofóbicas com orgulho, ele não sabe e, quando souber, tenho certeza de que já terá perdido o amor de tal pessoa, sem nem rever suas palavras.
Nunca a cor que sempre usei para redigir os textos aqui no Blog fez tanto sentido, a cor vermelha agora significa o sangue dos inocentes que já estão sendo mortos apenas pelo motivo de serem quem são.
Eu tinha muito a falar, mas este texto está sendo voltado para os próprios que fizeram isso, comigo como mulher e como atéia, com os homossexuais que procuro proteger, e com todos que querem um Brasil melhor. E as pessoas que o fizeram não gostam muito de ler.
Tenho que admitir que minha vontade de estudar agora é nula, já que nem sei mais meu futuro, nem o do meu curso. Afinal, tanto estudei que acabei chorando por terceiros não terem estudado.
A democracia chora por um povo cego.
Durante a ditadura, quando uma notícia era censurada,
no local era colocada uma receita de bolo para informar os leitores,
isso também significava que alguém (geralmente jornalista)
tinha desaparecido (e sabemos o que isso significava).

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Qual o sentido da vida?

Eu tinha desistido de escrever neste Blog, ninguém lê mesmo. Me pergunto se algum dia alguém vai se importar com as palavras nele escritas. Há mais de uma semana eu me viciei no desenho BoJack Horseman, não consigo parar de assistir, pensei que estava terminando a primeira temporada quando vi que estava iniciando a quarta temporada. Atualmente me encontro na metade desta última, provavelmente terminarei hoje.
Ela me inspira porque fala sobre muita coisa que eu já sabia mas não conseguia admitir para mim mesma. O que também me deu forças para voltar a escrever meus livros. Espero um dia conseguir terminar. A cada episódio eu sinto mais vontade de sair e fazer algo de útil pelo mundo, ou pelo menos por mim mesma. Sempre fui uma garota prodígio, talvez a esperança da minha família ou sei lá. Mas, olhe para mim, tenho 18 anos e nada do que planejei  para quando eu tivesse essa idade deu certo. Ninguém lê meu Blog, ninguém assiste meu canal, eu não estou numa universidade de ponta em outro país, e sequer tenho um emprego de verdade. Tenho vontade de levantar da cama e ir fazer algo de útil, mas em sequer sei o que fazer, apenas sei que tenho que fazer algo.
Não sei porque estou estou aqui desabafando, eu amo minha família, amo o garoto com que vivo um romance há três anos. Apesar das crises, eu sou feliz, nunca me senti tão viva, para ser sincera. Não tenho orgulho da pessoa que me tornei, mas talvez isso seja bom, pelo menos por enquanto. 
Todas as noites quando deito a cabeça no travesseiro para dormir eu percebo como aquele dia passou rápido, e como as semanas e meses estão passando rápido. Fico me perguntando se depois dos 18 é assim mesmo: a vida vai passando num piscar de olhos, sem que você perceba. Tenho medo de o tempo passar e eu não conseguir viver metade das coisas que gostaria, e de não aproveitar os momentos como deveria. Mas, oras, eu não saio da cama. Todos os dias eu me lembro que tenho prova da faculdade que eu nem sei se terminarei, sei que tenho que estudar, mas o que eu faço? Eu deito, coloco desenho e tento preencher esse espaço vazio com coisas fúteis. E sempre me cobro por isso, e quanto mais me cobro, mais culpada me sinto. Me sinto culpada porque sei que meu futuro só depende de mim, e se continuar do jeito que está, provavelmente estarei fadada ao fracasso. Ao fracasso de não realizar nenhum de meus sonhos, de ser aquela pessoa chata que diz que sonhar demais é perigoso.
Sonhar demais só é perigoso quando você não faz nada para seguir seus sonhos. E é exatamente isso que eu estou fazendo, por isso me sinto culpada, e é um sentimento horrível.
apesar de toda essa culpa, de tentar preencher o vazio com coisas fúteis, eu estou feliz, e esse é o sentimento mais estranho que sinto nos últimos anos. Talvez, depois de 5 anos tentando fugir da depressão correndo atrás dos meus sonhos, talvez o remédio correto fosse viver o hoje, mesmo que o futuro seja incerto e talvez até fadado ao fracasso. Talvez a resposta esteja no hoje, infelizmente.
Espero algum dia voltar aqui e me achar errada, e que talvez tudo isso seja apenas um monte de besteiras, mas até lá, tudo está fadado ao fracasso enquanto o hoje é feliz. Isso se chama ansiedade, apenas acabei trocando a mágoa de lugar.

terça-feira, 26 de setembro de 2017

A capacidade destrutiva do homem e a tecnologia

  Desde os primórdios o homem foi movido pela sua capacidade de criar armas. Desde quando descobriu-se que poderia machucar se jogasse uma pedra em outro animal até a produção das poderosíssimas bombas de hidrogênio. O ser humano já viveu sem computadores, sem música e até mesmo sem religião, mas nunca sem armas. Elas medem a evolução da humanidade, desde os seres humanos primitivos até as sociedades modernas.
  É óbvio que atualmente elas servem apenas para a psicologia do medo: opressão, repressão e "status". A segunda guerra mundial é o maior exemplo existente, onde a necessidade de ter-se armas cada vez mais poderosas fez com que o homem pudesse pisar na lua, a necessidade de se tratar os soldados combatentes se descobrisse a penicilina (o primeiro antibiótico descoberto), entre diversos outros avanços, não ignorando o infeliz fato de milhões de pessoas terem morrido por conta do conflito.
  O homem é uma máquina de guerra, um assassino nato. A paz mundial é um sonho para muitos, enquanto muitos defendes a morte como solução de problemas, criando o lema "guerra por paz".
  Essa impossibilidade de o homem crescer intelectualmente sem destruir o outro é extremamente criticada, principalmente por anarquistas, que defendem que o ser humano é naturalmente bom: o poder, o "status" e o dinheiro fazem com que ele se corrompa. Para que os avanços pudessem ser realizados de forma a ajudar a humanidade, e não a destruí-la, o ser humano teria que evoluir de forma que o que ele descobrisse e o aprendizado que adquiriu no caminho para tal fosse a maior recompensa para o individuo e esta sim fosse reconhecida, não o poder ou dinheiro que obteve com seus estudos. Os fatos citados levariam a humanidade para uma era tecnológica sem que houvesse a destruição mas, ate o momento, ainda é apenas utopia.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Quebre o ciclo

Desde pequenos somos treinados
Treinados para sermos governados
Não reclame, faça seu trabalho
Crianças são massinhas de modelar

Decore, não aprenda
Ouça e não questione
Trabalhe até seu corpo não aguentar mais
Talvez você tenha sorte
O dinheiro é seu deus

A escola motiva a trapaça
Visando provas mesmo que coladas
Visando notas, não o aprendizado
Visando a alienação, não o conhecimento
Pensar não importa

Seja bonzinho
Siga o sismeta
É um risco não se conformar
O ciclo deve ser mantido
Eles vivem enquanto você sobrevive
Não seja um impecilho
Obedeça!

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Decepção para com a humanidade

Hoje venho aqui, mais para fazer um desabafo e tentar ajudar do que escrever palavrinhas bonitas. Não conto sobre minha vida pessoal. Mas preciso escrever sobre isso, para que mais pessoas possam evitar o que eu passei.
Eu não sou uma pessoa muito pessimista em relação aos seres humanos, dificilmente eu tenho repulsa por alguém, aquele chamado "não gosto de tal pessoa".Na verdade, gosto muito de ver a bondade nas pessoas, nunca penso que são falsos, ou que são capazes de fazerem coisas ruins, as pessoas costumam chamar isso de ingenuidade, deve ser isso mesmo. E, não pense de forma alguma que é algo bom, é um erro terrível. As pessoas boas nunca acreditam no que as outras pessoas ruins são capazes de fazer. É claro que o mundo não é essa polaridade de "bemXmal", claro que não, essa teoria Maniqueísta serve apenas para burlar a realidade e fazer com que lutemos com o "Grande Inimigo" que sequer existe.
Basicamente, você nunca sabe o que ou quem pode te afetar. As coisas acontecem de repente, sem aviso prévio, sem que você tenha psicológico para aguentar certas situações, coisas em que, tudo que você consegue fazer é chorar. E isso é muito triste. A cada dia eu perco mais fé na humanidade e, como uma boa ateia, isso é tudo que tenho. 
A vontade que tenho é a de jogar tudo pro alto e seguir um caminho diferente, um que não me cegue tanto e que não me traga tanta tristeza, que não me faça chorar, que eu consiga ao menos dormir.

sábado, 25 de fevereiro de 2017

Ansiedade

   Às vezes eu me pego me perguntando se as coisas podem piorar, ou se poderiam ser melhores. E sempre lembro que, é óbvio que as coisas poderiam ser melhores, mais justas, tanto para mim, quanto para as pessoas à minha volta; ou até mesmo para quem eu não conheço. E o mesmo vale para o pior. 
   Tudo aquilo que está bom pode melhorar, afinal, a utopia é um mito. E tudo que já está dando errado tende a piorar, e quando você pensa sobre você percebe o quanto as coisas vão piorando ao longo de seus pensamentos.
   Eu sou uma pessoas muito ansiosa em relação à tudo. Quero que tudo chegue logo, o fim de semana, o dia da prova que decide minha vida escolar, o dia do resultado, o dia em que entrarei para faculdade, o dia em que arrumarei um emprego, o dia em que serei independente, etc.
   E se você consegue ter paciência para as coisa, sem querer fazer tudo logo, tenho um segredo: eu te invejo.
   Ás vezes as coisas me tomam a mente que já não consigo pensar em outra coisa a não ser o objetivo que tenho que cumprir. Isso é muito ruim, mas você vai aprendendo a conviver. O segredo é parar um pouco, respirar. Feche os olhos e preste atenção em sua respiração, depois, se estiver com tempo livre, faça algo que você gosta, assim como estou fazendo agora, escrevendo.
   E sei que todo mundo lhe diz para ter um pouco mais de calma, mais paciência. Que todo mundo lhe diz que é apenas tentar parar de pensar sobre ou simplesmente tentar parar de se preocupar. Eu sei o quanto é difícil. Lembrando que estou falando de pessoas que são ansiosas por natureza, não de pessoas que sofrem com o mal da ansiedade, a doença, porque para estas eu não tenho dicas, não sou médica, apenas uma mera estudante que passa horas a fio com as apostilas em cima da cama, me perguntando o que vou estudar primeiro, e meio à tantos assuntos. Na dúvida, eu deixo para depois, assim como todo bom brasileiro, a procrastinação é uma arte.
   Estranho, né? Você ser ansioso, querer fazer tudo logo, mas a própria ansiedade te faz deixar as coisas para depois porque você simplesmente não consegue fazer por estar pensando nas outras coisas que precisa fazer. Talvez este texto esteja um pouco confuso, estou escrevendo-o às pressas, porque, adivinha? Sim, porque estou ansiosa sobre o que vou escrever após e após, dentro do próprio texto. E isso porque estou fazendo algo que gosto. Mas pode relaxar que o texto já acabou. Espero que tenha gostado e, se você identificou, eu te entendo muito bem meu caro jovem.